Na mesma quadra onde antes os traficantes passavam a tarde vendendo drogas, agora são as crianças que brincam e correm atrás da bola em um animado futebol.

Com pouco mais do que um mês de existência, a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) já começa a mudar uma rotina que os moradores do Morro do Turano, no Rio Comprido, não aguentavam mais. E a imponente quadra da Matinha pode ser considerada um marco dessa nova fase. Com pichações na parede, inclusive a de um tanque de guerra, O local ficou conhecido na região porque recebia o “famoso” baile funk do Morro do Turano.

Local de encontro de bandidos da facção criminosa que controlava a comunidade, o baile tinha desfile de armamento, venda e consumo de drogas e som alto até o amanhecer.

Depois da pacificação, o único barulho que se ouve vem das comemorações de gols em partidas de futebol que duram a tarde toda. Segundo o capitão Almir Beltran, comandante da UPP Turano, existe ainda um projeto para que a quadra se transforme em um celeiro de talentos para o esporte olímpico.

– Existe um projeto do governo para encontrar futuros atletas olímpicos nesta quadra. Eles cederiam uniforme e professores para aulas aqui no Turano. Ainda estamos desenvolvendo isso, vamos ver como fica – prometeu o capitão, antes de falar sobre as mudanças na comunidade:- O baile funk nessa quadra era referência na região, já que fica na área onde morava o chefe do tráfico. Aqui eles desfilavam com armas, vendiam drogas e organizavam mais uma série de coisas erradas. Nesse horário (finalzinho de tarde) os traficantes se reuniam aqui na quadra. Agora a gente pode ver que é um local pacificado, as crianças podem brincar e jogar futebol sem ter medo de nada. No lugar do terror, aqui agora vai ter o sonho – finalizou.

Os moradores da comunidade estavam até organizando um baile funk, em uma outra localidade conhecida como Liberdade. Mas uma grande confusão no último evento fez o comandante da UPP mudar de ideia. Ele cancelou a autorização e pediu providências aos organizadores para a festa voltar a acontecer.

Mais projetos para a comunidade

Além de trazer segurança para os moradores, a unidade pacificadora começa a atrair outras ações sociais. Como as aulas de Caratê do professor Hernani, também cabo da Polícia Militar, que já são um sucesso no Morro da Providência. O capitão Almir Beltran está procurando um lugar com capacidade para receber as crianças e seus golpes. Anunciado no alto-falante da Associação de Moradores, o casamento social também promete animar a comunidade. O cadastramento já está sendo feito e a festa deve acontecer nos mesmos moldes da que foi realizada pelo capitão Glauco Schorcht. Para finalizar essa primeira fase de projetos está em estudo uma partida de Showbol (futebol indoor) dentro da quadra da Chacrinha.

Mas não é apenas isso. Além de atividades esportivas e ações sociais, o capitão já começou a conversar com a associação comercial da Grande Tijuca para oferecer empregos e opções de cursos de formação aos moradores do Turano.

– A conquista dos moradores é que nem casamento. É preciso ir provando que estamos juntos, que somos um braço amigo e não apenas uma força para intimidar. Estamos em um papel onde quem intimidava os moradores era o tráfico, através das armas. Somos auxiliares da comunidade – disse Beltran.

A ocupação do Turano está entrando agora em uma fase importante. É quando os moradores começam a ver que o trabalho é sério e denunciam. Segundo o capitão, todas as informações estão sendo apuradas, principalmente aquelas relacionadas à venda de drogas e localização de foragidos da Justiça.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui