Já imaginou receber o maior ídolo do tênis brasileiro na sala da sua casa para um lanchinho da tarde? Não, né? Nem eu. Mas foi o que aconteceu com o jovem Aílton de Jesus Mello, morador do Morro da Mangueira. Falante e bom de papo, Aílton aproveitou a visita de Guga na comunidade para fazer o convite. Claro que ele não esperava ver seu sonho realizado, mas se surpreendeu quando no meio de um passeio pelos becos e vielas da favela o tenista disse que queria conhecer a casa do menino. Aliás, a simpatia de Guga surpreendeu muitos moradores. Ele parecia um político em campanha: tirou fotos, distribuiu beijos, visitou uma creche e falou com todos no caminho.

Ele é uma pessoa muito simples. Foi na minha casa, apertou minha mão conheceu minha mãe e meus irmãos e ainda perguntou como estavam as minhas notas na escola. Eu quero ser igual a ele. Pena que não deu tempo de oferecer o lanche para ele

Disse Ailton após a visita de Guga, sem saber que o tenista tinha pego uma banana na cozinha da casa. A visita de Guga lotou a casa de Aílton, já que um batalhão de jornalistas também acompanhava o jogador.

A solução não demorou a aparecer. Todos foram para a laje da casa, com uma incrível vista da Mangueira, do Cristo Redentor e do Maracanã em obras. Lueli de Mello, mãe do menino Aílton, ficou muito feliz com a visita ilustre.- Nunca imaginei ver o Guga aqui na minha comunidade. Ainda mais dentro da minha casa — disse ela, que está feliz com a presença da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), inaugurada recentemente na Mangueira:

A vida aqui na comunidade está muito boa, as crianças podem brincar à vontade. Antes eu nem deixava muito, mas agora fico tranquila quando eles estão na rua.

Guga foi para a Mangueira acompanhado de dois outros ídolos do tênis mundial, Carlos Moya e Alex Corretja.

Eles estão na cidade para a disputa do Rio Champions, que está sendo realizado no Maracanãzinho. Os tenistas bateram bola com as crianças da Mangueira em mini-quadras de tênis que foram montadas em um terreno localizado na frente do prédio da UPP. Cerca de 200 crianças do projeto Rio 2016 tiveram a oportunidade de jogar tênis pela primeira vez. E já começaram enfrentando grandes nomes do esporte. Uma oportunidade e tanto.

É importante eles verem que os ídolos da TV são de carne e osso. O esporte é educativo, ensina a disciplina e o respeito pelo companheiro

Disse Guga, antes de mostrar que está por dentro do projeto de pacificação:

Estou fazendo uma pequena contribuição para um processo longo de pacificação que está sendo iniciado aqui no Rio. Agora esses meninos e meninas têm a tranquilidade para desenvolver a aptidão para o esporte, podendo pensar no futuro. Antes eles saiam de casa sem saber se iriam voltar para dormir. Acho que a realidade agora é outra. Podem contar comigo para outras experiências como essa.

Cada crianças bateu duas bolas com os tenistas. Foi rápido, mas uma oportunidade que, tenho certeza, não vai sair da cabeça deles tão cedo.

O jovem Samuel Vicente, por exemplo, garante que ganhou um ponto do Guga. Eu não vi, mas se ele está falando…

Quase nenhum morro teve oportunidade de receber um campeão como o Guga. Joguei e com ele e ainda ganhei uma. Vou levar a foto e mostrar pra todo mundo na escola – disse Samuel

O trabalho da polícia na comunidade ainda está em sua fase inicial, de aproximação. A presença de um ídolo do esporte motivou o capitão Leonardo Nogueira, comandante da UPP.

A presença de um atleta desse nível aqui na Mangueira trás para as crianças um exemplo positivo de sucesso no esporte e na vida. A comunidade começa a perceber que com a pacificação as portas estão abertas para todos. Seria difícil essa visita acontecer se fosse antes, principalmente por conta dos tiroteios.Antes de ir embora, Guga ainda deixou uma boa notícia. Ele garante que viu futuro nos meninos e meninas da Mangueira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui